9.3.08

CéU DE CAMILLE



Para descobrir novidades no mundo da música hoje e não se perder em meio à tantas produções, uma possibilidade é seguir os links que revelam as influências e inspirações dos novos artistas. Os recortes, as colagens e a miscelânea da produção musical se multiplicam a cada dia, e uma hora ou outra, as referências vêm à tona e surgem novas revelações. Ouvidos atentos fazem a ponte, a internet ajuda muito a consumar o fato.

Reconhecer um verso de Leminski inspirando a canção de Makely; a citação de Nino Rota na versão de André Mehmari para a clássica música “A Ostra e o Vento”, de Chico Buarque; ou mesmo Nina Simone revistada na abertura do disco do rapper Black Alien são exemplos dos mais diretos.

Menos explícitas foram as derivações que surgiram ao ouvir a cantora CéU. A paulistana trouxe um ar de ineditismo para a mpb que sugeriu uma versão brasileira de novidades vindas da gringa, até então desconhecidas.





CéU é jazzística, eletrônica, tem um jeito peculiar de cantar, mas não deixa de lado a ginga típica do Brasil. Vive mundo afora apresentando as canções do seu disco homônimo lançado em 2005, onde assina algumas canções e cria novas versões à clássicos como “Ronco da Cuíca”, de João Bosco e Aldir Blanc, e “Concret Jungle” (!), de Bob Marley. Disco novo deve sair ainda esse ano.

Vasculhando as referências do trabalho da CéU foi possível chegar à Beto Villares (!), produtor do disco; perceber alguma semelhança de timbragem com a cantora canadense Feist, que tem levada mais pop; e além das referências inerentes, aportar na canção estilosa da francesa Camille.

A semelhança não é direta, mas o sotaque de Camille imediatamente remeteu ao jeitinho fechado (seria de biquinho?) de cantar da CéU. Esse aspecto "familiar" estimulou a audição completa do disco Le Fil, resultando em uma agradável descoberta.

Camille canta com o corpo, é performática, não faz questão de botar banca de bonitinha. Com a banda Nouvelle Vague incorporou pitadas da música new wave e da bossa nova. Em Le Fil, nas entrelinhas, no intervalo das canções, deixa revelar o conceito que marca o álbum, um canto chão que é a base e o tom por onde desfilam todas as canções. Subliminarmente esse fio prende o ouvinte. A mim prendeu, especificamente por essa jogada que sugere uma música que não tem fim.

Ela “sabe ser pop, jazzística, pós-moderna, lúdica e, como não poderia deixar de ser, francofonicamente elegante”, como registrou Giovane Alexandre, neste link aqui. Inclusive, essa resenha apresenta bem o disco. Para outras percepções, fica o vídeo da canção “Ta Douleur”.


* atalho para novas descobertas: www.lastfm.pt

13 comentários:

makely disse...

Agora até eu fiquei curioso, qual será esse verso do Leminski? Hahaha

Depois vá lá ver o poste com a sua patroa!

Beijos

.ludmila ribeiro. disse...

chegou a 'distraídos venceremos'?
tá quente!

Anderson Ribeiro disse...

Lúdica é você! Aqui descubro muito mais referências que possa imaginar nossa vã filosofia (hehehehe) e já comprei alguns CDs.
Beijos e beijos e beijos. Saudades da cachacinha com torresmo.

Luiz Navarro disse...

realmente, nouvelle vague e camille são muito agradáveis.
como vc descobriu?

.ludmila ribeiro. disse...

langa! uma idazinha a recife faz cada coisa que você pode imaginar né?! bju

Leo disse...

LUD... saudades!!! Odoro o oraboa!

Projeto RedeMUIM de Arte e Cultura disse...

descobri sem vc aqui sem querer...

como faz faz para receber os posts?

:)

Leo disse...

Lud?? Cadê você, mulé! Mulé sumida da gota serena da febre do rato, homi!!

Cristiana Brandão disse...

lindo texto, ludi. camille faz o maior sucesso aqui na França. a Céu ainda não é muito conhecida, mas a Nação Zumbi tem um bocado de fãs. bjs, Cris

jão disse...

então, curti o disco da Camille sim. sobre o Nouvelle Vague, acho que ela só canta algumas músicas, não?

ah, e qual a música do Black Alien que tem sampler da Nina Simone?

.ludmila ribeiro. disse...

"take care of business" inteira é a base de "caminhos de destino" jão. gosto muito das duas! tem mais no fm lá. besos!

Cristiana Brandão disse...

vai ter show da camille e do portishead aqui em paris. hahahhaha

.ludmila ribeiro. disse...

é né cris cris.. tudo bem. a gente fica aqui, a "rir pra não chorar"!